O que é o Swaddle? by Carla

Como já aqui partilhei os primeiros dois meses do João foram um pouco complicados, não sei se pelas cólicas, se pela adaptação ao novo mundo fora do útero, se por feitio ou simplesmente porque sim, o João chorava imenso e em determinadas fases do dia chegava a ser aflitivo e desesperante.

As únicas coisas que o acalmavam eram o meu peito e sons fortes como o aspirador, secador de cabelo ou água a cair.

Quase sempre andávamos com o João no colo, e sobretudo reparávamos no seu desconforto sempre que o deitávamos. Mesmo quando já estava adormecido, estremecia abrindo os braços e acabava sempre por acordar. Notávamos que tranquilizava ficando encostado contra o meu corpo, ou ao do pai e assim passávamos horas com ele a dormir no nosso colinho.

Foi então que nas minhas muitas pesquisas e em conversa com amigas que já tinham sido mães que fiquei a conhecer a técnica do swaddling, que consiste em embrulhar o bebê de forma a limitar os movimentos, que ainda não controla transmitindo uma sensação de conforto e segurança recreando um ambiente aproximado ao do útero materno.

Então experimentei (sem ser uma grande especialista na técnica) e constatei que quando o envolvia ficava mais calmimho, porque o João se assustava muitas vezes com os seus próprios gestos e reflexos e estando com os movimentos mais presos isso não acontecia.

Apesar de continuar chorão, irrequieto e só conseguir adormecer no colo ou na mama quando o deitava na cama acordava com menos facilidade e conseguia que dormisse um pouquinho mais tranquilo.

Aliás, na lista de coisas para levar para a maternidade eram pedidas 3 ou 4 fraldas de pano. Na altura não sabia bem o porquê do pedido e para que serviriam, mas lá as levei. Quando o João nasceu a enfermeira vestiu-o, embrulhou-o numa fralda e pô-lo junto de mim para mamar.

Já na enfermaria e numa noite mais complicada de choro pedi a ajuda de uma enfermeira que colocou durante uns minutos o João de barriga para baixo e mais uma vez o embrulhou numa fralda de pano fazendo uma maior pressão na zona da barriga. Coincidência ou não o João acalmou e lembro-me de respirar de alivio mas sem dar muita importância ao procedimento da enfermeira.

As enfermeiras também aconselhavam a ter sempre uma fralda de algodão mais junto do bebê, mesmo que por cima se pusesse um cobertor mais quentinho.

Confesso que me fazia alguma impressão ver o João enfaixado, então nunca o apertei muito, as pernas ficavam sempre mais soltas para as poder encolher e movimentar.

Na altura só tinha musselinas de tamanho “normal” que acho são pequenas para este efeito, até porque o bebê vai crescendo e eu andei nisto mais de dois meses, por vezes, passado pouco tempo o meu embrulho já estava todo desfeito! O tamanho 120×120 teria sido o ideal!

As Swaddle da Aden Anais me encantam, pela sensação de conforto que transmite ao toque, pelos desenhinhos lindos, pelos materiais utilizados.

São fantásticas, pois têm o tamanho ideal para embrulhar o bebê sem que tudo se desfaça ao fim de 1 minuto, são respiráveis em bambu ou algodão, não existindo risco de sobreaquecimento, macias, muito maleáveis e com estampas tão lindas que fazem as delícias de qualquer mamãe.

aden anais ecologicalkids swaddle

Para além do swaddle as musselinas não perdem a utilidade e podem ser usadas mesmo quando o bebê já é maior como cobertorzinho para colocar no chão para brincar, para deitar o bebê na troca da fralda, para colocar por cima como aconchego tipo lençol, para levar para a praia, para proteger do sol, para cobrir o peito da mamãe quando está a dando de mamar ou para tapar o carrinho.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s